Arquivos de Categorias: Sol - Page 2

Foto do templo amanhecendo

foto-imagem-templo“Burma (Myanmar) é um desses países especiais que nunca vai deixar de inspirar e excitar até mesmo os fotógrafos mais bem-viajado”, escreve seu membro tiro Andy Ferrington . “Não há nada mais inspirador do que admiração assistir o nascer do sol do alto de um dos templos mais de 2.000 na planície central em Bagan. Este foi o terceiro consecutivo 05:00 começo a subir mais um templo na, manhã fria e escura de pés descalços. Optei por um tiro de super telefoto, como eu queria realmente puxar o soco dessas cores do nascer do sol quente.Como eu estava acompanhando a trajetória de vôo deste balão solo, estimei que iria passar entre uma abertura perfeita nos templos. ”

Pôr do sol Volcanic

foto-imagem-pôr-do-sol

No início deste ano eu tive a sorte de filmar a erupção vulcânica Holuhraun.Depois de vários dias à espera de bom tempo voando, eu tenho o meu OK e entrou no helicóptero. Eu estava incrivelmente sortudo de ter tanto um pôr do sol rosa espetacular e uma nova formação de lava, vermelho-quente no primeiro plano. Devo ter levado o piloto do helicóptero louco indo ao longo deste segmento novo e de novo, mas no final, eu consegui o que queria!

Melhores fotos de lugares e arte

foto-imagem-nepalUm turbilhão de pombos chove sobre os visitantes humanos e bovinos de Durbar Square em Kathmandu, Nepal. As aves são um elemento comum nesta Património Mundial da UNESCO, situado em frente ao antigo palácio real que serviu como residência real nepalesa até o século 19. Hoje, o palácio é operado como um museu.foto-imagem-Champagne-Ardenne

A supercélula brilha acima dos campos no norte do Champagne-Ardenne, França, ameaçando uma tempestade severa. Alguns dos melhores vinhos da França vêm da região e uso da denominação Champagne é limitada (e estritamente regulamentado) para apenas cinco distritos.

foto-imagem--Nova -Zelândia

Tons pastel rodeiam uma árvore meio submerso no lago Wanaka, Otago, Nova Zelândia. O lago é o país o quarto maior e está protegido por legislação especial, devido à sua natural costa não modificado.

foto-imagem-golfinhos

Capturado em um chuveiro etéreo de luz do sol, um grupo de golfinhos alimenta nas águas de Bimini, no distrito ocidental das Bahamas. “O momento foi mágico quando todos eles vieram de uma só vez”, escreve o fotógrafo Nadia Aly. “Foi esmagadoramente bonito.”

foto-imagem-oryx

“Na parte da tarde, era tão quente na parte inferior da duna que o órix correu para o topo da duna para o coolness”, escreve Bo Fu, que enviou essa foto para o Traveler. Muitas vezes referida como o unicórnio da Arábia, o órix uma vez permaneceu à beira da extinção; em 1972 apenas seis animais permaneceram em estado selvagem. Agora, mais de um milhar de pessoas povoar sua escala nativa da Arábia Saudita, Jordânia, Israel e os Emirados Árabes Unidos.

foto-imagem-coruja-do-nabalA coruja-do-nabal mantém um olho aberto enquanto relaxa em uma reserva natural do Kuwait. A coruja-do-nabal, que chama todos os continentes, exceto na Austrália e Antártida casa, prefere campo aberto, pântanos, tundra, e os campos de convivência. Durante o dia, capoeiras no chão ou em um processo aberto, baixo poleiro.

foto-imagem-menino-cubamenino salta uma bola fora de uma parede em Cuba. A cerca de 800 milhas de ponta a ponta, Cuba é a maior ilha do Caribe e um centro de turismo florescente para os viajantes provenientes do Canadá e da Europa. Com quatro praças principais e uma série de hotéis boutique, museus e galerias, Havana Velha, na capital do país insular é uma das atrações mais interessantes do país.

foto-imagem-Champagne-ArdenneA supercélula brilha acima dos campos no norte do Champagne-Ardenne, França, ameaçando uma tempestade severa. Alguns dos melhores vinhos da França vêm da região e uso da denominação Champagne é limitada (e estritamente regulamentado) para apenas cinco distritos.

foto-imagem-TailândiaVelejadores remar o rio Nam Lang, um canal de água doce que flui através de Tham Lod caverna na região de Mae Hong Son, no norte da Tailândia. A caverna de calcário 1.666 metros de comprimento, é o lar de muitos morcegos e andorinhões.

foto-imagem-dançarina-arte

A dançarina se prepara para o desempenho Theyyam na cidade de Kasaragod, na Índia. Theyyam é uma forma de dança ritual popular no norte Kerala que adora aa gama de divindades. Ela pode levar várias horas para pintar cada rosto.

Night-Brilhando cristal Nuvens

Mechas azul-elétrico que listam o céu, as nuvens noctilucentes brilhar depois do sol, brilhando com cristais de gelo. 

foto-imagem-noctilucent-clouds-cosmos-yourshot

Após a primeira observando-os em 1885, os cientistas já rastreou esses ” brilhando noite nuvens “pendurados na borda do espaço aproximadamente 51 milhas (83 km) de altura no céu. (Nuvens regulares para fora em cerca de 10 milhas [16 km] de altura.) Eles brilham no céu noturno depois do sol.

Agora, os cientistas liderados por Michael Gerding do Instituto Leibniz de Física Atmosférica em Kuehlungsborn, Alemanha, relatório sobre 100 horas de LIDAR observações das nuvens nas latitudes temperadas (variando de detecção de luz e). As observações de três anos explicar os horários altíssimos das nuvens.

Pôr do sol espelhado por Still Waters

foto-imagem-por-do-sol

 

Summertime vem e as brilhando noite nuvens são fáceis. Aproveitando o aparecimento de nuvens noctilucentes em climas temperados durante a temporada, a equipe de pesquisa alemã acompanhou as nuvens com LIDAR, uma forma assistida por laser para mapear as medições.

As nuvens, feitas de bandas de gelo e metano cristais, ocorrem mais freqüentemente em torno dos pólos. Anteriormente, as nuvens só havia sido medido por satélites em latitudes temperadas. Embora as nuvens se formam durante o Verão, eles ficam elevada na parte superior da atmosfera, em que as temperaturas são em torno de -180 graus Fahrenheit (-118 graus Celsius).

As medições LIDAR revelou os momentos em que as nuvens eram mais freqüentes e as condições meteorológicas que levaram a sua aparência.

 

Nuvens noctilucentes Asa Do outro lado do céu

foto-imagem-por-do-sol

 

No alto do céu, as diferenças sutis de temperatura impulsionado por mudanças “maré” no aquecimento atmosférico parece ligada à aparência das nuvens.

Em média, quando as temperaturas na Terra eram cerca de 18 graus Fahrenheit (10 graus Celsius), as nuvens noctilucentes eram mais propensos a aparecer, de acordo com o estudo.

Ventos polares de alta altitude também fez as nuvens mais provável que apareça sobre os céus temperadas. “Quanto mais tempo o ar vem do pólo, maior a chance” de [noctilucentes] nuvens, segundo o estudo.

Night-Brilhante Nuvens Linger

foto-imagem-night-brilhante

 

O estudo descobriu que as nuvens noctilucentes atingiu um pico de cerca de 4 horas da manhã, quando eles apareceram cerca de 15 por cento do tempo. Um pico menor veio à noite em torno de 18:00, hora local.

Os pesquisadores analisaram as nuvens durante o verão 2010-2013.Os estudos pioneiros de nuvens noctilucentes, feito em 1885, nuvens examinados pensado para ter sido semeado pela poeira arrancada dopoderoso vulcão Krakatoa erupção três anos antes.

Fugas da estrela Soar Above noctilucentes Nuvens

foto-imagem-fugas-das-estrela

 

O brilho das nuvens noctilucentes aumento nas horas de pico, não surpreende.

Mas as nuvens ficou brilhante como a noite avançava, antes de escurecer dramaticamente em torno da meia-noite.

Desde as nuvens são acreditados para ser feito, em parte, de cristais de gelo de metano , eles às vezes são vistas como um termômetro para gases de efeito estufa, um jogador importante na mudança climática.

Big Dipper colheres Noctilucent Mar

foto-imagem-big-dipper

 

Na parte superior da atmosfera, a combinação de ar seco e frio explica a cristalização que evoca as nuvens.

Capturado de ar mais úmido dirigido para o norte durante o verão, os cristais de nuvem são capturados e congelados na borda do espaço.

Detalhes do Sol – Satélite da Nasa capta imagens da estrela

foto-sol-borbulhas-imagem

Satélite da missão Iris, da Nasa, capturou detalhes de explosão no Sol (Foto: BBC/Nasa)

A missão Iris, da agência espacial americana Nasa, capturou imagens da superfície “borbulhante” do Sol, onde as temperaturas podem chegar a dois bilhões de graus Celsius.
O satélite da Iris detectou explosões de plasma que viajam a centenas de quilômetros por hora.

As descobertas foram apresentadas em um encontro da Sociedade Americana de Geofísica, na cidade de São Francisco.

A equipe acredita que as informações da Iris, missão que foi lançada no começo deste ano, podem ajudá-los a entender melhor – e até mesmo prever – como as explosões no Sol influenciam o “clima no espaço”.

As explosões têm potencial para afetar satélites de comunicação que orbitam a Terra.

“Quando a tempestade solar surge no Sol, como este material vai viajar? Ele vai chegar rápido à Terra ou isso vai acontecer de forma demorada?”, disse à BBC o cientista Scott McIntosh, do Centro Nacional de Pesquisas Atmosféricas em Boulder, no Colorado.

“A única forma de descobrir isso é compreendendo a detalhada física da atmosfera do Sol.”

As imagens revelam a superfície do Sol borbulhando como se fosse um gigantesco caldeirão.

Colunas de plasma atingem temperaturas de 10 mil a dois milhões de graus Celsius em poucos segundos.

“Uma destas colunas poderia viajar [o equivalente à distância] de Los Angeles a Nova York em poucos segundos. E de repente, em um instante, elas somem. É incrível”, diz McIntosh.

sol-borbulhas-imagem-foto

Emoldurado

foto-imagem-sol

Esta semana, o tema escolhido é “Emoldurado”. registrou suas irmãs numa praia australiana emoldurando o sol com as mãos.

foto-imagem-bike

O quadro da bicicleta mergulhado num rio na cidade de Leerdam, Holanda, assume uma aparência fantasmagórica na foto enviada por Jackie Hardim.

foto-imagem-cavalos

Margaret Metcalfe enviou foto das traves e travessão do gol que emolduram os cavaleiros ao fundo, numa praia mexicana. foto-imagem-paisagem

Willoughby Werner tirou esta foto no Arizona, Estados Unidos, com a parede de tijolos aparentes servindo de moldura para a paisagem desértica. foto-imagem-moduras

Na foto enviada por Terry Richter a mulher ficou emoldurada pelas paredes de um corredor que por sua vez ficaram emolduradas pela abertura na parede de cimento. A foto foi tirada em Los Angeles, Estados Unidos. foto-imagem-oculos

Robin Stern fotografou sua mulher e filha emolduradas pela armação do óculos-escultura, em um parque de Woburn Abbey, Inglaterra. foto-imagem-jirafas

Ian Slisbury usou as pernas de uma girafa em Zâmbia como moldura para a foto de outra girafa. foto-imagem-retrato

Uma câmera escura feita artesanalmente acabou emoldurando Ashley Mayes, estudante de arquitetura da Sheffiield School of Architecture, Inglaterra.

Fotos de vida selvagem

foto-imagem-da-vida-selvagem 

O evento WildPhotos reúne por dois dias em Londres os melhores fotógrafos de vida selvagem e natureza na Royal Geographical Society. Acima, a foto de David Tipling mostra uma coruja em Bharatpur, na Índia. Todas as fotos cortesia de WildPhotos.

foto-imagem-da-vida-selvagem

 

Acima, Michael Nichols, da ‘National Geographic’ conseguiu registrar um elefante recém-nascido sendo ensinado a usar a tromba pela mãe no Parque Nacional do Serengueti.

foto-imagem-da-vida-selvagem

 

Grzegorz Lesniewski conseguiu uma imagem muito próxima deste camundongo enquanto ele investigava uma flor vermelha em uma plantação.

foto-imagem-animais-selvagem

 

Na foto acima, um urso negro procura por caranguejos na margem de um rio. Imagem de Bertie Gregory.

foto-imagem-vida-selvagem

 

Na imagem acima, um papagaio-do-mar com o sol ao fundo, na foto do britânico Danny Green, que passou oito anos documentando a vida selvagem e as paisagens das regiões árticas e subárticas do norte da Europa.

Buraco no sol – Nasa fotografa buraco gigante na atmosfera solar

foto-sol-buracos-coronais-atmosfera-solarUma sonda da Nasa e da Agência Espacial Europeia (ESA, na sigla em inglês) registrou um buraco gigante na atmosfera solar, na área do polo norte do Sol.

A sonda Observatório Solar e Helioscópico (SOHO, na sigla em inglês) capturou a imagem do buraco gigantesco no dia 18 de julho.

A Nasa afirma que os buracos, chamados de coronais, são regiões escuras de baixa densidade da camada mais externa da atmosfera solar, chamada de corona.

Estes buracos têm pouco material solar, temperaturas mais baixas e, por isso, aparecem mais escuros nas imagens.

Os buracos coronais são ocorrências típicas do Sol, mas costumam aparecer em outros lugares e com mais frequência em momentos diferentes do ciclo de atividade solar, que dura cerca de 11 anos.
O ciclo de atividade solar atualmente está se encaminhando para o chamado máximo solar, um pico na atividade que deve ocorrer no final de 2013.

Durante esta parte do ciclo, o número de buracos coronais diminui. No pico da atividade solar, os campos magnéticos no Sol mudam e novos buracos coronais aparecem perto dos polos.
O número destes buracos então aumenta e eles crescem de tamanho, se estendendo para além dos polos, enquando o ciclo solar volta para o mínimo de atividade novamente.

Os buracos são importantes para a compreensão do clima no espaço, pois eles são a fonte de ventos de alta velocidade com partículas solares, que são expelidos do Sol três vezes mais rápido do que os ventos solares vindos de outros lugares.

Ainda não se sabe a causa dos buracos coronais, mas eles estão correlacionados a áreas do Sol onde os campos magnéticos aumentam e sobem, não conseguindo cair de volta para a superfície do Sol, como fazem em outros lugares.

A perfeição do sol

foto-imagem-sol

Na foto de Enéas M. Neto, o nascer do sol com uma revoada de garças na Cidade de São Bento do Una, no interior de Pernambuco.

foto-imagem-sol

Pôr do Sol em Madri, numa tarde de inverno. Foto de Nelson Garcia Perandréa.

foto-imagem-sol

O sol de verão “pinta” o piso do Museu Louvre, em Paris. Por Nelson Garcia Perandréa.

foto-imagem-sol

Este belíssimo pôr do Sol foi clicado em Pamukkale, na Turquia, em setembro do ano passado, por Angelice Rocha Santos Abramov. foto-imagem-sol

Helivelto Lima registrou o sol no solstício de inverno em um sítio arqueológico em Macaúbas, na Bahia.

foto-imagem-sol

Esta imagem mostra os raios do sol perfurando a vegetação a margem do Rio Piracicaba, no interior de São Paulo. A leitora Shirlei Tatsukawa capturou a foto durante um passeio de barco. foto-imagem-sol

Relógio do sol no Rio de Janeiro, por Pércio Augusto Mardini Farias. foto-imagem-sol

Nossos leitores mandaram fotos para a galeria dos leitores desta semana, cujo tema é Sol. Começamos com a imagem de Ioannis Simeon Theoharidis, que capturou o pôr do Sol na volta de uma viagem de férias das Bahamas.

Monumento tem vista para o pôr do sol, como o cartunista pediu a amigos. Millôr morreu em 2012, aos 88 anos, após uma parada cardíaca.

foto-imagem-rioBanco tem a silhueta de Millôr e vista para o pôr do sol

Foi inaugurado no fim da tarde desta segunda-feira (27), no calçadão entre as praias do Diabo e do Arpoador, na Zona Sul do Rio, um banco panorâmico em homenagem ao escritor, desenhista e jornalista Millôr Fernandes, morto em março de 2012 aos 88 anos, após uma parada cardíaca.

O escritor sempre dizia, contam os amigos, que se um dia fosse homenageado, poderia ser com um banquinho de onde fosse possível ver o pôr do sol. É por isso que, bem no horário do pôr do sol, o banquinho com vista para o mar de Ipanema e Leblon foi inaugurado. O local escolhido desde 2012 é conhecido como o Largo do Millôr.

O projeto, do urbanista Jaime Lerner, dá a impressão de que o banco flutua. Um perfil do escritor foi desenhado por Chico Caruso e apelidado de “O Pensador de Ipanema”. Além de Caruso, estiveram presentes à inauguração o filho de Millôr (1923 – 2012), Ivan Fernandes, e o irmão, Hélio Fernandes, além de amigos como a atriz Fernanda Montenegro.

“Tantos anos de convívio de amizade, de produtividade também. É uma hora bonita. E um dia vai ter um pôr do sol. E a gente vai vir aqui só pra ver o pôr do sol ao lado do Millôr”, disse Fernanda, em entrevista ao RJTV.

foto-imagem-millor