Tráfico de animais rende US$ 19 bilhões por ano, diz o WWF (Fundo Mundial para a Natureza)

Um novo relatório do Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) diz que o os lucros do tráfico de animais chega a US$ 19 bilhões por ano e que a atividade está ameaçando a estabilidade de alguns governos.

O relatório do WWF destaca uma “nova onda” de crime organizado ligado ao tráfico de animais entre fronteiras de países vizinhos.

Segundo a entidade, milícias rebeldes na África se aproveitam da demanda por elefantes, tigres e rinocerontes para obter fundos que acabam financiado conflitos civis.

John Scanlon, secretário-geral do Cites, organização que regulamenta o comércio de espécies ameaçadas, diz que esses grupos invadem as fronteiras de outros países para matar elefantes e vender o marfim para comprar armas.

O relatório do WWF também sugere que o tráfico de animais e plantas é a quarta maior atividade comercial ilegal do mundo, perdendo apenas para o tráfico de drogas, falsificação de produtos e moedas e tráfico de pessoas.

Tráfico de animais - filhote de tigre.

Tráfico de animais – filhote de tigre.

O WWF afirmou que o comércio ilegal está ameaçando cada vez mais as vidas de elefantes, rinocerontes e tigres na África e Ásia. Dezenas de milhares de pessoas são mortos todo ano e existem menos de 3,2 mil tigres na natureza. Acima, um dos 16 filhotes de tigres apreendidos em outubro.

polícia de fronteira durante operação no Parque Nacional de Kui Buri, na Tailândia.

Polícia de fronteira durante operação no Parque Nacional de Kui Buri, na Tailândia.

‘São as comunidades, frequentemente as mais pobres do mundo, que perdem mais com este comércio ilegal, enquanto grupos criminosos e autoridades corruptas lucram’, afirmou Jim Leape, diretor-geral do WWF-Internacional. Acima, a polícia de fronteira durante operação no Parque Nacional de Kui Buri, na Tailândia.

Apesar da proibição, há 23 anos, do comércio internacional de marfim, elefantes continuam sendo mortos para este fim. Acima, foto aérea de uma manada de elefantes africanos na Reserva Presidencial de Wonga Wonghe, no Gabão.

Apesar da proibição, há 23 anos, do comércio internacional de marfim, elefantes continuam sendo mortos para este fim. Acima, foto aérea de uma manada de elefantes africanos na Reserva Presidencial de Wonga Wonghe, no Gabão.

Ambientalistas registraram uma grande queda na população de elefantes em vários países africanos. Acima, ossos de elefantes encontrados na floresta, nas proximidades do vilarejo de Sounga, Gabão.

Ambientalistas registraram uma grande queda na população de elefantes em vários países africanos. Acima, ossos de elefantes encontrados na floresta, nas proximidades do vilarejo de Sounga, Gabão.

Pesquisadores do Departamento de Parques Nacionais, Vida Selvagem e Plantas fazem testes de DNA em pedaços de marfim confiscados para determinar a origem e processar as pessoas que forem flagradas com o marfim africano.

Pesquisadores do Departamento de Parques Nacionais, Vida Selvagem e Plantas fazem testes de DNA em pedaços de marfim confiscados para determinar a origem e processar as pessoas que forem flagradas com o marfim africano.

As presas de marfim geralmente são usadas na medicina tradicional, objetos de decoração e joias. Acima, um escultor de marfim em Payuhakirri, Tailândia

As presas de marfim geralmente são usadas na medicina tradicional, objetos de decoração e joias. Acima, um escultor de marfim em Payuhakirri, Tailândia

Em julho de 2012, cerca de meia tonelada de marfim, com valor de mais de US$ 700 mil, foi apreendida no aeroporto de Bangcoc. Acima, um oficial fiscaliza uma loja que vende joias e objetos de marfim no mercado de Tha Phrachan, Tailândia. Todas as fotos: © WWF-Canon /James Morgan

Em julho de 2012, cerca de meia tonelada de marfim, com valor de mais de US$ 700 mil, foi apreendida no aeroporto de Bangcoc. Acima, um oficial fiscaliza uma loja que vende joias e objetos de marfim no mercado de Tha Phrachan, Tailândia. Todas as fotos: © WWF-Canon /James Morgan

Deixe um Comentário

0 Comentários.

Deixe um Comentário

Por favor, digite os caracteres desta imagem na caixa de entrada

Please type the characters of this captcha image in the input box

NOTA - Você pode usar estesHTML tags and attributes:
<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>