Arquivos de Tags: fotógrafo

Fotos e imagens do pôr-do-sol pelo mundo – Fotógrafo é Paul Reiffer

foto-paul-reifferAlgumas pessoas viajam pelo mundo apenas por prazer, enquanto outras buscam um objetivo ao realizar sua viagem. O fotógrafo e ex-modelo Paul Reiffer, de 35 anos, definitivamente pertence a este último grupo. Paul percorre o mundo capturando fotografias incríveis do nascer e pôr-do-sol em meio a alguns dos mais icônicos cenários de cada cidade.

Sua companheira de viagem foi uma câmera Phase One de 80 megapixels, que custou a bagatela de £30 mil. Quem vê as imagens na tela não consegue imaginar que cada fotografia pode levar dias ou até mesmo horas de planejamento, enquanto o fotógrafo procura os melhores ângulos para capturar a paisagem. E, apesar de tanto planejamento, Paul precisa colocar a ideia em prática em poucos minutos, antes que o sol se ponha – ou que o dia raie.

O fotógrafo acrescenta que gasta em torno de £ 5 a 6 mil para realizar cada foto, incluindo os gastos com a viagem. “Há uma foto que eu estou tentando fazer há cerca de 10 anos, que é da Ponte Golden Gate saindo para fora do nevoeiro ao amanhecer. Já estive lá 40 ou 50 vezes“, conta ele, que seguiu carreira como modelo até decidir que seu lugar era realmente atrás das lentes.

Confira só algumas imagens clicadas por ele:

Sydney Opera House, Sydney, Austrália

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem

Região Guangxi Zhuang, China

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-regiao-guangxi-zhuang-china

Arizona, Estados Unidos

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-arizona-estados-unidos

Empire State Building, Nova Iorque, Estados Unidos

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-empire-state-building-nova-iorque-estados-unidos

Bay Bridge, São Francisco, Estados Unidos

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-bay-bridge-sao-francisco-estados-unidos

Veneza, Itália

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-veneza-italia

Tokyo Tower, Tóquio, Japão

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-tokyo-tower-toquio-japao

Lago Tahoe, Califórnia, Estados Unidos

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-lago-tahoe-california-estados-unidos

Califórnia, Estados Unidos

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-california-estados-unidos

Cidade Proibida, Pequim, China

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-cidade-proibida-pequim-china

Lyme Regis, Inglaterra

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-cidade-proibida-lyme-regis-inglaterra

Portland, Inglaterra

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-portland-inglaterra

Sydney, Austrália

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-sydney-australia

Huvafen Fushi, Maldivas

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-huvafen-fushi-maldivas

Otago, Nova Zelândia

foto-por-do-sol-fotografo-paul-reiffer-imagem-otago-nova-zelandia

Esta foto flagra o momento em que um furão pega carona no voo de um pica-pau.

foto-imagem-furão-pica-pauEle acredita que o mamífero atacou o pássaro, que decolou no susto, levando consigo o passageiro.”O pica-pau estava saltitando estranhamente como se estivesse pisando numa superfície quente… O pássaro voou sobre nós e um pouco em nossa direção; de repente, ficou óbvio que ele tinha um pequeno mamífero nas costas e que essa era uma luta pela vida”, disse Le-May.

A dupla aterrissou a cerca de 25m do fotógrafo, que disse ter temido pelo pica-pau.

Mas a sua presença pode ter distraído o mamífero predador, que desapareceu na vegetação. O pássaro escapou com vida.

Seph Lawless percorreu o país para retratar locais que foram palco de crimes e outros eventos terríveis.

150118222738_seph_lawless_casa_976x549_sephlawlessEm seu livro “13: An American Horror Story”, o fotógrafo Seph Lawless reúne retratos de casas nos EUA que foram palcos de crimes e eventos trágicos. Na casa da foto, em Ohio, um pai matou seu filho por acidente em 1958 – depois assassinou sua mulher e se suicidou.150118222814_seph_lawless_casa_2_976x549_sephlawlessMuitas pessoas garantem que o ex-dono da mansão Milan praticava bruxaria.150118222942_seph_lawless_casa_4_976x549_sephlawlessA mansão Haught, no Estado de Michigan, foi um bordel. Há alguns anos, diversos corpos foram encontrados em sua adega.150118223006_seph_lawless_casa_5_976x549_sephlawlessA mansão Bailey, em Hartford, no Estado de Connecticut, é a casa ‘mal assombrada’ que inspirou o seriado americano ‘American Horror Story’. 150118223038_seph_lawless_casa_6_976x549_sephlawlessA mansãoTemple, de Detroit, no Michigan, foi cenário de um triplo assassinato em agosto de 1942. 150118223106_seph_lawless_casa_7_976x549_sephlawlessEsta casa abandonada ao leste de Cleveland, em Ohio, foi onde o assassino em série Anthony Sowell escondeu os corpos de suas vítimas.150118223154_seph_lawless_casa_9_976x549_sephlawlessEsta é a casa onde morou durante a infância o assassino em série mais conhecido dos EUA, Robert Berdella, conhecido como o ‘carniceiro de Kansas City’. 150118223213_seph_lawless_casa_9_976x549_sephlawlessA mansão Hooley, no Texas, foi palco de várias mortes estranhas nos anos 1970, quando era um hotel.

Tubarões – Fotógrafo chega perto dos animais sem nenhuma proteção – Fotos

foto-tubarao-imagem-fotografoAo encontrar um tubarão, a reação da maior parte das pessoas seria apenas uma: fugir. Mas o fotógrafo Todd Bretl garante que, para uma relação amigável com eles, é preciso fazer justamente o contrário e nadar tranquilamente na direção do animal. O profissional, que vive nas ilhas Bermudas, pratica mergulho desde criança e é especializado em registrar a vida marinha. Para as fotos, ele não utiliza nenhum equipamento de segurança, nem sistema de aproximação digital. Isso quer dizer que Todd realmente nada lado a lado das feras dos mares. Ele nunca sofreu acidentes e garante que sequer presenciou um comportamento agressivo de tubarões.Segundo Todd, o importante é manter a calma e, é claro, escolher bem o tipo de tubarão para se aproximar. Ele evita os brancos – o maior peixe predador do mundo – e os makos – os mais rápidos. A maior parte de suas fotos foi feita nas Bahamas, onde as espécies são menos perigosas, como o tímido limão ou o curioso tigre. Mesmo assim, se irritados, eles podem atacar. O profissional simplesmente entra na água e espera os animais chegarem. Como não é preciso mergulhar muito fundo, Todd pode passar o dia todo cercado por criaturas marinhas, apenas esperando pelo clique perfeito. Confira alguns deles.

tubarao-com-a-boca-aberta-imagem

 

tubarao-mostrando-os-dentes-imagem

 

tubarao-cardume-imagem

 

tubarao-com-a-boca-aberta-imagem-foto

 

tubarao-imagem-foto

Fotógrafo de Viagem do Ano 2012

foto-imagem-cinza-da-escociaIncríveis imagens captadas em mais de 90 países por fotógrafos viajantes, profissionais ou não, participaram do concurso Fotógrafo de Viagem do Ano 2012.O britânico Craig Easton foi o vencedor geral do concurso, com fotos que destacam a estranha beleza do clima ‘úmido, cinza, triste e escuro’ da Escócia.

As imagens do prêmio Fotógrafo de Viagem do Ano 2012, escolhidas pelo site Travel Photographer of the Year, estão expostas na Royal Geographical Society, em Kensington, Londres, de 12 de julho a 18 de agosto.

Colagens com fotos – Fotógrafo americano cria paisagens surreais com imagens em 360 graus

Paisagens retorcidas com um toque de surrealismo são o tema do mais recente trabalho do fotógrafo americano Randy Scott Slavin. Acima, a imagem intitulada “Empire State”. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

Para criar a série “Outra Perspectiva” (Alternate Perspective), ele escolhe cuidadosamente a locação e tira até cem fotografias de uma cena cobrindo 360 graus, antes de costurá-las para formar uma projeção estereográfica. A foto acima foi tirada na Flórida. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

“Quando comecei a fotografar paisagens, me senti compelido a usar a perspectiva. Depois de fazer muitas experiências com fotografia panorâmica, desenvolvi uma técnica que realiza meu desejo de transformar o real em surreal”, disse Slavin. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

“Em férias com minha noiva, fiz a imagem que chamei de ‘Big Sur’. O norte da Califórnia é um lugar mágico, onde elementos épicos colidem. É difícil tirar uma foto ruim lá”, diz Slavin. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

Randy escolhe suas locações de diferentes maneiras: às vezes esbarrando numa foto perfeita, outras sabendo exatamente o que ele quer capturar e planejando com antecedência. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

Nesta imagem, batizada de “Mão de Deus”, uma praia parece ser segurada por uma enorme mão de rocha. Slavin viaja pelos Estados Unidos à procura de paisagens para seu trabalho. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

Segundo o fotógrafo a paciência necessária para encontrar os ângulos perfeitos e a melhor luz para as fotos é um antídoto para o ritmo frenético de sua vida em Nova York. Foto: Randy Scott Slavin / Rex Features

Nova York – Fotos da cidade é fotografada do topo dos prédios

Depois de Detroit, agora é a vez de Nova York ser retratada do alto. Isso porque o fotógrafo Navid Baraty resolveu registrar as ruas e as esquinas da cidade sob um ponto de vista pouco usual e um tanto vertiginoso: o topo de arranha-céus.

O fotógrafo cresceu na zona rural de Ohio, e trabalhou como engenheiro até decidir pela carreira artística. Depois de viver muitos anos em San Francisco, escolheu Nova York para morar e trabalhar, mais especificamente o Brooklyn.

Freelancer em publicações como a revista National Geographic, Baraty utiliza técnicas simples de fotografia, e depende apenas da boa vontade de zeladores e síndicos para poder acessar a cobertura dos edifícios e, assim, poder fazer seus registros. Em outras ocasiões, fotografa do alto de helicópteros.

Mas seu trabalho não se resume apenas aos registros da Big Apple. Além de grandes cidades, ele também fotografa cenários naturais. “Procuro retratar fielmente a condição humana e, assim, incentivo as pessoas a repensarem seu papel na Terra”, explica.

Fotos da Itália – Fotógrafo registra imagens sob ângulos sombrios – Iluminação especial e perspectivas incomuns

Tiradas com iluminação especial e perspectivas incomuns, fotos mostram mistério do local

Uma Itália misteriosa. Assim pode ser definida a nova série fotográfica de Giuseppe Desideri. O artista retratou seu país em cenários bastante conhecidos, mas sob ângulos pouco convencionais.

Com atenção especial na iluminação utilizada e em pequenos detalhes, o fotógrafo registrou pontos turísticos italianos de maneira sombria, investindo em tons de cinza gerados pelas névoas locais e nuvens carregadas.

Fotos submarinas – Fotógrafo australiano Mark Tipple tira fotos de banhistas nadando embaixo das ondas

Um fotógrafo australiano especializado em fazer imagens de surfistas e mergulhadores retratou pessoas comuns nadando embaixo de ondas.

Recentemente, Mark Tipple havia fotografado surfistas caindo de suas pranchas. As fotografias eram tiradas debaixo das ondas, capturando o momento em que o surfista mergulhava no mar. Na nova série de fotos, Tipple registrou banhistas mergulhando sob as ondas.

‘Nas fotos anteriores, eu estava mais sob a influência do surfe. Quando eu comecei [o trabalho], eu estava a procura de um lado diferente do surfe que não estava sendo visto antes, mas agora o meu foco são nadadores, já que para mim é mais interessante ver as pessoas embaixo d’água sem as pranchas de surfe’, disse Tipple à BBC Brasil.

Tanto as imagens dos nadadores quanto as dos surfistas fazem parte de um projeto batizado de theunderwaterproject.com.

Conto de fadas – Fotógrafo russo Andrey Pavlov usa formigas para cria cenas de história infantil

O fotógrafo russo Andrey Pavlov cria cenas de histórias usando formigas como personagens principais.

Ele passa hora arrumando os cenários para capturar imagens dos insetos em várias atividades, desde costura até levantamento de pesos, o que faz com que as cenas se pareçam com imagens tiradas de contos de fadas.

Pavlov afirma que não costuma ir muito longe para fazer as imagens. O fotógrafo geralmente leva seu equipamento para um formigueiro que fica apenas a alguns metros de sua casa em Moscou, na Rússia.

“Nos últimos sete anos, sempre estava com minha câmera mas foi apenas quando tive filhos e comecei a ler contos de fadas para eles, percebi que isto era algo que nunca fiz quando eu era criança”, disse o fotógrafo.

“Foi quando decidi começar criar meus próprios contos de fadas.”

O fotógrafo conta que sua experiência profissional ajudou no momento de criar as cenas.

“Eu costumava trabalhar no teatro, o que foi de grande ajuda para criar objetos de cena”, disse.

Pavlov afirma que escolheu formigas como os personagens de suas cenas “pois as respeito e respeito seu modo de vida”.

“Elas cuidam dos filhos e cuidam dos idosos. Elas existem há milhões de anos.”