Foto do dia

JANTAR É SERVIDO

Em Salalah, Omã, um camaleão lança sua língua pegajosa para pegar uma libélula. Para pegar a ação incrivelmente rápida, a fotografia do seu tiro, Abrar Sekhi, usou uma velocidade de obturação de 1/4000 de segundo – e sentou-se e esperou o momento perfeito por cinco horas.

MÉXICO

As mariposas monarcas mortas alocam um piso nevado no estado de Michoacán. Pelo menos nove milhões, mais de 40 por cento desta colônia, morreu após uma tempestade de primavera inusitadamente intensa – possivelmente devido a mudanças climáticas – atingiu seu santuário de montanha.

Central Park de Nova York – Raccoons

ESTADOS UNIDOS

Raccoons se agrupa perto de um caminho no Central Park de Nova York, na esperança de receber folhetos de visitantes noturnos. Funcionários da cidade dizem que alimentar os mamíferos omnívoros é arriscado – os guaxinins podem levar a raiva – e desnecessários, desde que sejam engenhosos. Também é ilegal.

Foto fenomenal das maravilhas do mundo

O Monte Bromo, na ilha pontilhada do vulcão de Java, entrou em erupção por exatamente um ano, de 12 de novembro de 2015 a 12 de novembro de 2016. O cone emitiu diferentes níveis de cinzas e calor, perturbando vôos e turismo local.

MOSTEIRO DA NÉVOA

Perto da cidade de Kalambaka, na Grécia, seis mosteiros ortodoxos orientais são construídos sobre uma série de formações rochosas altas chamadas Meteora. Foto aqui é o Mosteiro de Roussanou, que foi fundado em algum momento em meados do século XVI. Hoje, um pequeno grupo de freiras reside lá.

Foto do dia – Cidade de Ho Chi Minh, no Vietnã

De cima, este bairro da Cidade de Ho Chi Minh, no Vietnã, parece animado e pacífico. Mas no chão, é uma história diferente, diz o our Shot, Tan Diep Bao. A área, chamada Black Water Hamlet, foi originalmente habitada por trabalhadores imigrantes que construíram casas de palafitas nos canais. “Agora tornou-se uma favela com um ambiente extremamente ruim”, diz Tan Diep Bao. “Estes canais estão cada vez mais poluídos com resíduos”.

SACANAGEM! OLHA A PEGADINHA QUE ARMARAM EM PLATAFORMA DE VIDRO NA CHINA

Imagine que você, turistando pelo mundo, decide fazer um passeio por uma incrível plataforma transparente instalada no alto de um imenso paredão rochoso. Então, enquanto você está lá, de boa, apreciando a vista de tirar o fôlego de uma altura vertiginosa, você percebe que o piso sob os seus pés começa a trincar a cada movimento seu. Já pensou no desespero que você certamente sentiria?

Baita susto!

Pois existe uma plataforma com essas características instalada nas Montanhas Taihang, situadas na Província de Hebei, na China. A passarela tem mais de 260 metros de extensão, fica a mais de 1,1 mil metros acima do nível do mar e foi construída com painéis reforçados capazes de suportar até 800 quilos por metros quadrado. No entanto, de acordo com Allee Manning, do site Inverse, um time de engenheiros achou que seria hilário armar uma pegadinha no local!

Os caras instalaram sensores entre os painéis que, quando detectam o peso de alguém sobre o piso, desencadeiam um efeito especial pra lá de realista que dá a impressão de que a plataforma está trincando — e que, ao mais mínimo movimento, vai quebrar. Como você pode imaginar, a brincadeira pegou bastante gente desprevenida, e não faltou quem quase morreu de susto. É claro que algumas das reações foram capturadas em vídeo e, como a galera adora uma zoeira, o clipe já tem mais de 1,6 milhão de visualizações. Dê só uma olhada:

Segundo as informações do vídeo acima, o passeio pela plataforma não oferece riscos, e os painéis são checados diariamente pelo pessoal da manutenção para garantir que está tudo em ordem e que os visitantes possam desfrutar da atração em segurança. Contudo, segundo Allee, depois de ver as reações de algumas das vítimas que caíram na pegadinha — como a do pobre guia turístico do clipe —, as autoridades locais divulgaram um pedido de desculpas e avisaram que serão instalados avisos na passarela para que ninguém morra do coração lá em cima.

Os finalistas do prêmio de Fotógrafo de Vida Selvagem do Ano

O Museu de História Natural de Londres anunciou nesta semana os finalistas do prêmio de melhor fotógrafo de vida selvagem do ano, o Wildlife Photographer of the Year.

Os finalistas da competição foram selecionados entre 50 mil fotos. Os vencedores serão anunciados no dia 17 de outubro. Abaixo, uma seleção de alguns finalistas.

Essa imagem do fotógrafo francês Laurent Ballesta mostra uma jovem foca sendo levada por sua mãe para as águas geladas da Antártida. Essa espécie dá a luz sobre o gelo e leva os filhotes para nadar depois de uma semana ou duas. Focas adultas são ótimas mergulhadoras, sobrevivendo submersas por até 82 minutos e alcançando profundidas de até 600 metros.

O fotógrafo russo Sergey Gorshkov retratou uma raposa-do-ártico carregando um precioso ovo de ganso-das-neves após atacar um ninho. Grandes bandos dos pássaros migram para a tundra no fim de maio, vindo de lugares tão distantes quanto a Califórnia. Em 2016, a região leste da Rússia chegou a reunir 300 mil gansos-das-neves. Embora os casais de pássaros protejam seus ninhos, as raposas conseguem roubar até 40 ovos por dia, atacando os gansos até que haja uma oportunidade de roubar um ovo.

As raposas então enterram seus prêmios, que permanecem comestíveis até o fim do verão. Quando uma nova geração de jovens raposas começa a explorar a região, elas também se beneficiam desses tesouros enterrados.

O fotógrafo Andrey Narchuk queria fotografar um salmão na Rússia, mas acabou batendo essa foto de dois gymnosomatas (espécie de molusco aquático, parente das lesmas-marinhas) cruzando.

Essa água-americana – ave símbolo dos EUA – foi fotografada pelo fotógrafo alemão Klaus Nigge no Alasca.

Depois da vários dias de chuva constante, a ave de rapina estava encharcada. Acostumadas com pessoas, as aves são atrevidas. “Eu deitava na praia e era rodeado pela águias”, diz Klaus.

Steve Winter fez essa imagem de um filhote de tigre ferido na ilha de Sumatra, na Indonésia. Com seis meses de idade, o animal foi resgatado de uma armadilha ilegal. Enjaulado, ele tenta soltar um rugido dentro de sua jaula.

Esse filhote de urso-pardo abraça sua mãe em uma cena capturada em uma reserva no Alasca pela jovem fotógrafa Ashleigh Scully.

Depois de pescar na maré baixa, a mãe ursa estava levando os filhotes de volta a um campo perto da praia. Um dos jovens ursos, no entanto, queria ficar brincando.

O fotógrafo israelense Tyohar Kastiel passou uma semana observando um casal de pássaros da espécie quetzal-resplandecente alimentarem seus filhotes para conseguir fazer essa foto.

No oitavo dia, os pais demoraram muito para voltar, e o fotógrafo ficou preocupado. Então o macho e a fêmea voltaram com abacates. Mas, em vez de darem para os filhotes, deixaram em um galho próximo. Os pequenos então saíram do ninho para comer sozinhos.

Cavalos-marinhos pegam carona nas correntezas marítimas se agarrando em algas e outros objetos marinhos. Mas o fotógrafo Justin Hofman flagrou esse minúsculo animal se agarrando a um cotonete quando uma correnteza repleta de lixo plástico chegou a um recife na Indonésia.

O fotógrafo Mats Andersson caminha todos os dias pela floresta próxima à sua casa, no sul da Suécia. Em uma manhã fria de fevereiro, ele fez esse retrato de um esquilo-vermelho fechando os olhos por um segundo, para depois voltar a procurar por comida.

IMPRESSIONANTE! 11 DE SETEMBRO QUE VOCÊ AINDA NÃO VIU

Eclipse solar 2017: confira as melhores imagens

Um eclipse solar total nesta segunda-feira acontece em grande parte dos Estados Unidos, com a Lua cobrindo completamente o Sol. No Brasil, o evento celeste é bem mais tímido e ocorre na forma de um eclipse parcial (quando a Lua não fica completamente na frente do Sol), no meio da tarde. A melhor visualização é nos estados do Norte e do Nordeste, onde até 40% da nossa estrela ficará oculta.

Segundo a agência espacial americana, o fenômeno poderia ser observado por 500 milhões de pessoas em sua forma total ou parcial — 391 delas nos Estados Unidos, 35 milhões no Canadá e 119 milhões no México, América Central e América do Sul.  Em algumas regiões americanas, o Sol ficou completamente encoberto por dois minutos e quarenta segundos.

Em solo brasileiro, as melhores capitais para admirar o fenômeno serão Boa Vista, em Roraima, onde o eclipse começa por volta das 15h, e Macapá, no Amapá, às 16h. O ápice do fenômeno ocorre cerca de uma hora depois. Confira se o eclipse é visível em sua cidade e em qual horário começa neste mapa interativo da Nasa.

Proteção

Os astrônomos avisam que o eclipse não deve ser observado ou fotografado sem proteção. Quem pretende ver o evento nos estados brasileiros onde ele ocorre deve usar um filtro astronômico importado ou uma máscara de solda de tonalidade 14 para olhar para o Sol. Outros materiais, como óculos escuros, chapas de raio-X e telescópios comuns, podem causar sérios danos à visão.