Veja uma bola de boliche por dentro

foto-imagem-bola-de-boliche

Uma bola de boliche é apenas uma casca dura com três buracos para você encaixar os dedos, certo? Errado. Na verdade, seu interior é composto com diversos materiais distintos que podem fazer toda a diferença na hora do jogo.

De forma grosseira, elas são feitas basicamente de duas partes: o núcleo e a coverstock (a camada que cobre a bola). O núcleo é a parte mais importante e difere bastante de bola para bola, conferindo habilidades distintas para cada uma delas.

Todas as empresas fabricantes desenvolvem estratégias para oferecer desempenhos específicos para cada tipo de bola criada no processo de fabricação. Dessa forma, as bolas de boliche podem ganhar por dentro formas e materiais completamente inusitados, fazendo com que elas apresentem desempenhos singulares dentro das pistas de jogo.

O processo do design do núcleo é o primeiro passo no planejamento de uma bola de boliche. Por meio de projeções animadas em um computador (através do CAD), os designers desenvolvem o conceito principal, que é dinamicamente desequilibrado para provocar a estabilização da bola à medida que ela se desloca ao longo da pista.

Isso faz com que ela role em um ponto diferente em cada rotação, evitando assim o desgaste e o acúmulo de óleo na mesma faixa de pista. Além disso, os núcleos são construídos com densidades diferentes. Alguns têm um centro mais pesado, e alguns núcleos são construídos com o peso distribuído em direção à superfície da esfera.

Mike Flanagan, da Storms, uma das marcas mais conhecidas de bolas de boliche do mundo, explica como esse processo funciona no vídeo abaixo (em inglês).

Vandalismo em um museu coloca Lamborghini Gallardo como ‘tela’ para seus visitantes

foto-imagem-Lamborghini

Se você é daqueles que sofre com um risquinho no seu carro, fuja desta matéria! Já imaginou se esse pequenino risco fosse em uma Lamborghini? E se fossem VÁRIOS riscos? É isso que propôs o museu ARoS Aarhus Kunstmeseum, localizado em Arhus, na Dinamarca. Em outubro do ano passado, uma Lamborghini Gallardo ficou exposta por 3 semanas à espera de “vândalos autorizados”.

O modelo, que custa a partir de R$ 600 mil, fazia parte da exposição “Nenhum Homem é Uma Ilha” e recebeu diferentes inscrições da galera que visitou o local. Apesar do ceticismo inicial, muita gente aderiu à “brincadeira” e fez parte do trabalho coletivo de arte.

A ideia inicial, inclusive, era que as inscrições no carro durassem mais de 3 semanas, mas isso se tornou inviável porque acabaria apagando as primeiras escritas e transformando a cor dele de preto para branco. Depois desse período inicial, a obra ficou “completa”, e os novos visitantes só podem apreciar o resultado.

foto-imagem-Lamborghini

Qual o motivo?

Uma das primeiras inscrições foi SKODA – uma marca de carros na Dinamarca muito mais barata do que a Lamborghini. Apesar de o veículo não estar mais recebendo inscrições, ele continuará exposto no museu até setembro deste ano, quando será devolvido a seu dono, o grafiteiro norueguês conhecido como DOLK.

Segundo Pernille Taagaard Dinesen, curadora do ARoS, a ideia era mostrar que cada ação que a pessoa faz deixa uma marca na sociedade. A obra final foi intitulada “Low Key”, uma expressão que significa dar pouca ênfase a determinado assunto. E se você achou muito absurdo, tudo bem: a arte é justamente feita dessas coisas bizarras que não fazem sentido.

O dono do carro, DOLK, disse que o comprou já usado na Itália, justamente para a exposição. Ele não imaginava que os danos seriam tão intensos: quase todas as letras da placa “Lamborghini” foram arrancadas e teve gente que tentou riscar até as janelas do carro! O grafiteiro não pretende repintar o carro depois da exposição.

foto-imagem-Lamborghini

Vandalismo?

Muitas pessoas, entretanto, não curtiram a proposta, dizendo que esse tipo de intervenção artística incentiva o vandalismo. A curadora do museu acredita que isso pode até ser possível, mas ela acha que uma obra de arte tem justamente a função de fazer as pessoas pensarem e mudarem seus desejos mais ocultos.

“Se você fosse sair e arranhar o carro de um estranho em um estacionamento depois de arranhar este, isso é totalmente sua responsabilidade. Nós instigamos você a arranhar um carro aqui, no ARoS, não na sociedade, o contexto em que você faz isso é muito importante”, analisa Pernille Dinesen.

Outros críticos dizem que a Lamborghini Gallardo já é uma obra de arte por si só e que autorizar pessoas a riscá-la seria um atentado artístico. DOLK defende que escolheu esse modelo justamente para causar estranheza e fazer as pessoas sentirem a dor dos riscos como se fosse em seu próprio carro. Vocês gostaram do resultado?

foto-imagem-Lamborghini

Fotos de animais descontraído

Não só de imagens bonitas e fofinhas da natureza vivem os concursos fotográficos: todos os anos, o Comedy Wildlife Photography Awards elege as cenas mais engraçadas e inusitadas da vida selvagem. A premiação, idealizada pelo fotógrafo Paul Joynson-Hicks, tem como objetivo principal incentivar a preservação da fauna terrestre de uma maneira divertida.

Cortes modernos para o seu cão – Sequencia de fotografias mostra cachorros antes e depois de receber aquele trato nos pelos

Grace Chon é uma fotógrafa especialista em animais, capaz de criar séries super fofas e divertidas através dos registros.

Essa sua sequencia de fotos mostra cãezinhos antes e depois de receberem um corte super moderno nos pelos. Olha só:

Ilusão de óptica

Você ficou um pouco confuso com o título da matéria? Então, antes de a gente explicar sobre o que se trata, assista rapidinho ao vídeo a seguir:

Viu só como o helicóptero parece levitar como se tivesse sido submetido a algum tipo de mágica poderosa — ou como se estivesse sendo abduzido por uma nave alienígena? Na verdade, se trata de um efeito ótico bastante comum e, embora tenhamos a impressão de que as hélices estão paradas, o que acontece no vídeo é que elas estão girando em sincronia com a velocidade em que a imagem está sendo registrada.

Segundo Michael Zhang, do portal Peta Pixel, o vídeo foi capturado por um cara chamado Chris Fay, e o curioso efeito ocorre quando a velocidade do rotor que movimenta as hélices coincide com a velocidade em que a câmera de filmagem captura cada quadro da cena.

Assim, supondo que o equipamento utilizado por Fay registre 60 quadros por segundo, isso significa que a câmera “clica” 60 fotos em um único segundo. E cada vez que ela capturou um quadro durante a cena, as hélices se encontravam exatamente na mesma posição. Simples assim!

Confira mais algumas lindas fotos aleatórias de vários lugares do mundo e seus momentos épicos.

foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares foto-imagem-lugares

O jardim do terror

Você é fã do terror? Não resiste a uma série ou um filme sobre zumbis? Então este é o jardim dos seus sonhos!

Um grupo canadense de artistas se inspirou em obras como “Madrugada dos Mortos”, “Extermínio” e “The Walking Dead” para criar diversos anões de jardim versão zumbi – afinal, ninguém mais aguenta aqueles tradicionais. A ideia deu tão certo que eles fizeram outros modelos homenageando outros clássicos do terror, como “Sexta-feira 13” e “A Hora do Pesadelo”.

foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror foto-imagem-jardim-do-terror

Periquito com óculos de proteção voa entre lasers em nome da ciência

foto-imagem-periquito

Se você já entrou em um laboratório ou pelo menos viu alguns filmes em que cientistas atuam em seu “habitat natural”, sabe que a segurança é uma das principais preocupações nesses ambientes. Do mesmo modo que os humanos precisam de equipamento de proteção, alguns animais que são objetos de estudo científico também recebem alguns acessórios para garantir a sua integridade. É o caso de um simpático pássaro que ganhou um par especial de óculos para voar no meio de feixes de laser.

Calma não se trata de algum tipo de “Jogos Mortais” com aves ou uma trama maluca de sci-fi, mas sim de um estudo conduzido pela Universidade de Stanford para descobrir como realmente funcionam os padrões de voos do mundo animal. Para levar o projeto adiante, os pesquisadores escalaram o periquito Obi como astro da vez, fazendo com que o bichinho batesse suas asas para circular entre diferentes pontos da sala, com toda a ação sendo registrada por câmeras de alta velocidade que permitiram registrar cada momento do passeio.

foto-imagem-periquito

Para viabilizar a empreitada e criar o ambiente perfeito para os cliques, o local foi pulverizado com uma nevoa fina iluminada por lasers. Com um esquema como esse, as chances eram de que qualquer erro poderia comprometer a visão do passarinho. O jeito encontrado para remediar a situação? Utilizar uma impressora 3D para criar óculos de proteção personalizados para o periquito, claro! Além de deixar Obi extremamente estiloso, o brinquedinho de lentes avermelhadas eliminava qualquer efeito colateral do laser em seus olhos.

“Nós nunca andaríamos no meio de um monte de lasers sem qualquer tipo de proteção. Então, tivemos que realmente pensar em como proteger o pássaro”, explicou David Lentink, um dos professores responsáveis pelo estudo. No fim, o que os cientistas descobriram além do fato de os periquitos ficarem ainda mais bonitos com óculos? Basicamente que boa parte dos modelos de voo utilizado até hoje estão equivocados e que, no mundo real, a movimentação das aves é bem mais complexa do que as fórmulas matemáticas indicam.

A ideia de Lentink e de sua equipe é que, a partir dos dados coletados com Obi, seja possível desenvolver equações mais precisas, que, futuramente, podem acabar viabilizando a construção de asas robóticas consideravelmente mais eficientes e avançadas. Será que os robôs voadores também vão contar com um par de óculos como o do periquito?

Beleza única dos albinos

Yulia Taits é uma fotógrafa russa que mora em Israel desde 1995. Recentemente, ela teve a ideia de fazer um projeto apenas com pessoas albinas, por considerá-las de uma beleza hipnotizante. Como resultado, a série intitulada “Porcelain Beauty” ressalta a beleza em meio a cenários mágicos, usando animais e objetos brancos para aumentar o clima de encantamento. Confira:

foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos foto-imagem-albinos

Pessoas que definitivamente não ligam para a opinião dos outros

Algumas pessoas realmente não se importam com o que os outros pensam a seu respeito

foto-imagem-pessoas

Tem adoentado que não abre mão da sua dieta calórica

foto-imagem-pessoas

Hipster lançando novos meios de transporte no espaço urbano

foto-imagem-pessoas

Apressadinho sem a mínima noção de espaço

foto-imagem-pessoas

Gatófilo que coloca o bichano literalmente em primeiro lugar

foto-imagem-pessoas

Explorador que invade a toca de urso sem a menor cerimônia

foto-imagem-pessoas

E costureiro com um gosto bem peculiar na hora de confeccionar suas roupas

foto-imagem-pessoas

Em alguns casos, as pessoas encontram alternativas pouco usuais para solucionar seus problemas

foto-imagem-pessoas

Em outros, confundem nosso cérebro de uma maneira jamais vista

foto-imagem-pessoas

Não podemos nos esquecer dos bons netinhos, que gostam de divulgar as habilidades manuais da avó

foto-imagem-pessoas

Do casal que achou brilhante a ideia de tomar banho em público

foto-imagem-pessoas

Da senhorinha que não dispensa uma vida saudável e um bom drink

foto-imagem-pessoas

E desta mulher, que descobriu uma forma econômica de transportar seu cachorro

foto-imagem-pessoas

Sim… Algumas pessoas literalmente não dão a mínima para o que os outros vão pensar

foto-imagem-pessoas

Mas certas estão elas, que levam a vida bem de boas

foto-imagem-pessoas